quarta-feira, 4 de junho de 2014

blog mundo melhor


prezados leitores,

devido à falta de tempo bastante para me dedicar às postagens neste espaço, decidi encerrar, ao menos temporariamente, as atividades do blog. é preciso tempo suficiente para levar este projeto adiante, e isso está meio escasso de minha agenda.

a partir de agora, vou-me dedicar a postagens de textos similares aos do blog na página mundo melhor no facebook (já existente desde 13 de julho de 2012: https://www.facebook.com/blogmundomelhor?ref=hl). serão mensagens mais enxutas, mas não perderão sua essência, que é levar aos leitores informações a respeito de cultura, ecologia, espiritualidade e reflexão.

obrigado a todos os que prestigiaram as 104 postagens deste espaço, e que certamente ainda vão continuar a fazê-lo, já que o blog não será extinto.

luz e harmonia a todos.

terça-feira, 22 de abril de 2014

porta que se fecha, porta que se abre

hoje, mais que em outros dias, é dia de refletir sobre a vida...
dia de agradecer pelas conquistas, que servem para motivar a busca por novos ideais...
dia de agradecer pelas derrotas, que servem para refletir sobre decisões anteriores equivocadas, e a vontade de superá-las...
dia de estar feliz, por ter saúde, alegria e paz de espírito...
dia de agradecer pelo emprego, e pelo salário que ajuda na manutenção da vida como ser vivente e como cidadão...
dia de agradecer por integrar um núcleo familiar tão maravilhoso...
dia de render graças por ter amigos - muitos amigos...
dia de retribuir por tudo que se recebe da espiritualidade, principalmente o amor por todas as formas de vida do planeta...
de sentir felicidade por fazer parte do planeta terra, que também comemora hoje seu dia...
de saber que pessoas ilustres, como immanuel kant, também fariam aniversário hoje, se estivessem entre nós...
data oficial do descobrimento do brasil, segundo a história que nos foi ensinada.
bem, hoje é dia.
e estou muito feliz por fazer parte desse dia tão especial - pra mim, é especial.
e, sobretudo, por saber também que a vida se vai, pouco a pouco; e os anos passam...
a casa dos trinta, lentamente, é fechada e trancada para nunca mais se abrir. e outra, a dos quarenta, se abre, com suas surpresas, suas peculiaridades, seu mundo a ser descoberto e vivido intensamente.

estou muito feliz, por todos os que, diretamente ou não, fazem parte de minha vida, e me ajudam a construir um mundo melhor.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

vida

que razões levam alguém
a acumular tanto ódio
no coração a ponto de
retirar a vida do próximo?

que grau de irracionalidade
infesta o ser que assim age?
por que tamanha intolerância?

como uma pessoa tomada
por tal insensibilidade
consegue dormir tranquilamente?
por que as cenas cruéis,
dolorosas e de sofrimento
da pessoa atingida
não tocam o algoz?

o que se passa na mente
do cruel assassino momentos
antes de decidir
extinguir a vida alheia?

e se um dia ele puder
abrir os olhos e perceber
a gravidade de seu ato...
como fica a consciência,
que lhe acusará de erro
pelo resto da vida?

reflitamos todos...

antes de agir tomado pelo
instinto de animais
irracionais - que em boa parte das ocasiões, matam apenas
para se defender
ou garantir seu alimento - é
preciso pensar na vida
do próximo: ela é tão
preciosa quanto a nossa própria...

cultivemos a vida!

e por falar nela...
a próxima postagem
a ocorrer em
22 de abril, será dedicada
à celebração da vida,
já que naquela data
o autor deste blog
comemorará quatro
décadas de existência.

luz e harmonia a todos.


quarta-feira, 2 de abril de 2014

tempo

o tempo, esse misterioso,
passa bem diante de nossos olhos.
mesmo assim, não nos
damos conta disso.
o tempo, que cura as feridas,
que aflige a uns e acalma
a outros, passa.
passa impiedosamente.
não espera por ninguém.
nunca passa antes da hora.
nem depois.
sempre passa no tempo.
é ele quem ensina: certas coisas
vêm e vão na hora certa.
as imagens geradas no tempo passado
ficam aprisionadas em nossas mentes.
quando agradáveis, nos fazem sorrir.
do contrário, fazem pesar
nossa consciência.
e vertermos lágrimas pesadas.
as projeções no tempo futuro
nos enchem de esperanças
por dias melhores.
e é assim que tem que ser.
do contrário, estamos
a perder tempo.
o tempo presente é
uma fração ínfima;
praticamente não existe.
o que é agora, já faz
parte do passado.
e por isso o tempo tem
que ser bem vivido.
vamos aproveitar o tempo
para ocupar nossas vidas
só com boas ações?

luz e harmonia a todos!

sábado, 1 de março de 2014

evidências de nossas imperfeições (I)

só as leis divinas são imutáveis.
porque são perfeitíssimas e justas.
só elas garantem a 
imparcialidade de julgamento,
que se dá, quando preciso,
 na consciência de cada ser pensante.
pode-se traçar planos e metas;
construir gráficos e mapas;
imaginar estratégias, demarcar rotas;
armazenar esta ou aquela informação
para usá-la adiante.
mas se aparece pelo caminho
algum imprevisto
o ser pensante é obrigado
a alterar o plano inicial.
por quê?
porque ele é imperfeito;
não pode vislumbrar tudo,
não tem evolução suficiente
para saber trabalhar
com antecedência o imprevisível.
nem mesmo saber se
isso vai surgir adiante.
é preciso, portanto,
aceitar a evidência:
somos todos imperfeitos,
dotados de visão espiritual
de curtíssimo alcance;
absolutamente mutáveis!

luz, paz e harmonia!
 

domingo, 16 de fevereiro de 2014

fé - o tema da centésima postagem

a que se resume a fé? que expressões do vernáculo podem traduzir a literalidade desse pequeno vocábulo, dotado, em sua essência, da imensa capacidade de provocar reviravoltas impensadas? e como verbalizar o significado desse sentimento que, no planeta terra, só é inerente ao ser humano?

é quase impossível explicar os efeitos que a fé pode causar na vida do homem. mas há certas circunstâncias que permitem fazê-los notabilíssimos diante dos olhos. não se trata, neste texto, da fé com sentido religioso ou ligada a fanatismo ou fundamentalismo; trata-se, isso sim, da crença em algo aparentemente distante, inalcançável, mas não impossível de se obter. trata-se da fé raciocinada, da quase certeza da realização de um propósito ou desejo (embora os meios para se consegui-los sejam os mais árduos), aliados ao pensamento positivo e à possibilidade de mudança dos rumos do universo em favor de nossas propósitos - desde que assim desejemos de verdade.

foi exatamente esse o quadro que se passou com meu pai em janeiro, quando se encontrava hospitalizado; a julgar pela forma como se encontrava debilitado, eu, particularmente, não acreditava na reversão de seu quadro de saúde. um ciclo assustador se havia instalado em seu organismo: fígado e baço com capacidade reduzida de funcionamento -> retenção de líquido -> impossibilidade de se alimentar corretamente -> fome -> desnutrição-> emagrecimento -> órgãos debilitados. eu não tinha vislumbrava melhoras....

mas bastou a meu pai uma visita de um amigo das antigas, o qual se encontrava, após dolorosa fase de decadência quase total, recuperado e pronto para viver bem a chamada melhor idade. então o semblante de meu velho se transfigurou - isso eu vi! - e ele disse: "se você ficou bom, eu também vou ficar. tenho uma fé muito grande que em breve estarei recuperado em casa."

nem essa manifestação altamente revestida de tanta positividade me fez pensar diferente; sou muito racional, e, ainda que conhecesse os efeitos benéficos da fé e do pensamento positivo, quis esperar mais um pouco para também me contagiar com a possibilidade de melhoras de meu pai. para resumir... hoje ele não apenas está de volta ao lar como também se encontra muito bem! e é justamente por ter presenciado ao vivo a transformação que um pensamento positivo (aliado, obviamente, ao uso correto da medicação e das prescrições médicas) pode acarretar na vida de uma pessoa é que decidi dedicar a centésima postagem do blog mundo melhor ao sr. joanes teotônio coelho, cuja visita naquela tarde inesquecível de janeiro de 2014 foi crucial para que meu pai buscasse na fé todas as suas forças para provocar melhoras quase imediatas, e, principalmente, aos benditos efeitos da fé que, como se diz correntemente, é capaz de mover montanhas!

luz, harmonia - e fé - a todos!

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

o direito de um "rolezinho" e a pequenez de um país tão imenso...

rolezinho. palavra do momento na mídia ouvida, escrita e falada. prática de grupo de jovens que, para exercer livremente o ócio (e, em certos casos, praticar atos ilícitos), decidem lotar shoppings e sobretudo demonstrar ao público sua capacidade de se fazer presente. seria isso sintoma da necessidade desesperada de auto-afirmação de pessoas que se encontrem numa faixa etária em que é necessário se mostrar ao mundo?

a lei maior brasileira garante ao indivíduo o direito de ir e vir sem ser molestado. isso é o suficiente para garantir aos adolescentes em questão não serem impedidos de realizar seu ocioso passeio dominical, ressalvado o direito de os lojistas se protegerem contra atos de vandalismos. no entanto, quando analiso a dimensão talvez desnecessária que a mídia dá a esse tipo de conflito, em que se contrapõem a intenção dos jovens (repito, ociosos) e a possibilidade de se impedir a ocorrência do evento, passo a imaginar como seria resolvida essa questão num país sério, preocupado com a formação de seu povo, com a educação de seus jovens, com a saúde e segurança de seus cidadãos e com a quase inexistência de miséria nessa nação. pensemos.

suécia, noruega, japão, holanda, alemanha, frança, reino unido... nesses países reinam altíssimos índices de civilidade  e padrão de vida. será que por lá os jovens estariam preocupados em não poderem dar seu rolezinho no shopping num domingo (seja por arbitrariedade das autoridades competentes, seja por qualquer outro motivo)? ou será que estariam mais ocupados em se integrarem no contexto participativo das políticas governamentais que, de fato, são uma bênção para o cidadão? aqui em terras tupiniquins nos preocupamos com os rapazes e moças que, "coitadinhos"!, são às vezes discriminados por não poderem fazer seu passeio num shopping (para meu singelo ponto de vista, é um dos locais que tem mais de futilidade do que utilidade para nossa existência). ora, o que deveria ser alvo de nossas preocupações (e deles também!) é a falta de educação de qualidade, formação intelectual, cívica e moral para esses adolescentes; a indiferença das autoridades governamentais para com o conjunto de cidadãos (que inclui os menores de dezoito anos!), haja vista a péssima prestação de serviços públicos frente a alta carga tributária e o índice alarmante de corruptos que insistem em perpetuar no poder. tudo isso se redunda num país de péssima qualidade de vida.

infelizmente os tempos têm mudado - e, do ponto de vista moral e de cidadania, pra pior. no meu tempo, e no de muita gente na casa dos 30 ou mais, o domingo era reservado à convivência em família, hábito quase extinto hoje em dia. as relações familiares têm-se diluído em ritmo acelerado, e temos perdido muito com isso. passamos a transformar nosso país - imenso em população e extensão, minúsculo do ponto de vista moral - num grande lugar em que se acumulam mazelas difíceis de serem curadas. falta de educação, respeito, civilidade e apego a coisas e valores inúteis têm sido a cara do povo brasileiro atual (e certamente será a de amanhã). um povo que se preocupa com novelas, com a casa mais espiada do país, com as fazendas, futebol e futilidades afins (como dar um rolezinho no shopping aos domingos), justamente por não se pensar a longo prazo em assuntos mais importantes, os quais venham a nos tornar verdadeiramente civilizados. de que precisam nossos jovens? estímulo a pensar, questionar e fazer acontecer algo relevante neste que um dia já foi chamado de país do futuro.



terça-feira, 7 de janeiro de 2014

sete quedas e outras maravilhas desdenhadas

hoje me pus a refletir sobre a visão materialista e imediatista do bicho-homem, quando iniciei pela internet assuntos relacionados ao extinto parque que abrigava o salto das sete quedas (http://pt.wikipedia.org/wiki/salto_de_sete_quedas) até 1982, na fronteira do brasil com o paraguai. a rede mundial de computadores está farta de material sobre o assunto e recomendo conhecê-lo.

não que meu ponto de vista seja totalmente restritivo sobre os efeitos econômicos e sociais que a construção da usina de itaipu (http://pt.wikipedia.org/wiki/usina_hidrel%C3%A9trica_de_itaipu) no lugar daquele parque trouxeram nesses quase trinta anos. longe disso (apesar de considerar inaceitável o apagão registrado na noite de 10 de novembro de 2009, por falha operacional naquela hidrelétrica, fato inadmissível em uma das maiores do mundo). apenas pretendo despertar no leitor a possibilidade real de adotarmos em nosso cotidiano medidas menos drásticas para o crescimento verdadeiramente sustentável da economia e da humanidade. diariamente temos exemplos de destruição da natureza em todos os níveis, em prol de uma pretensa modernidade (que, no ritmo atual, poderá levar à deterioração irreversível da vida no planeta).

assim como as sete quedas, tantos outros espetáculos da natureza têm sido extintos para dar lugar à ganância capitalista. são florestas, rios, solos, recursos naturais limitados e um sem-número de elementos que, dia após dia, se exaurem em nome de desenvolvimento e da modernidade. o rol de bens que deveriam serem preservados inclui até mesmo verdadeiras maravilhas artesanais (como construções antigas de prédios, parques e jardins), vistas como velharias no entendimento pobre e inculto de empresários inescrupulosos, descompromissados com o valor artístico, histórico, cultural e memorial de um povo. por isso, veem na demolição desse patrimônio uma excelente alternativa para auferir lucros exorbitantes; no lugar da relíquia infungível jogada ao solo, levantam novos edifícios nada sustentáveis (já que, para construção destes, consomem absurdas e inacreditáveis quantidades de água potável e minerais, além de provocar poluição visual e atmosférica).

sugiro a leitura e reflexão sobre a história de sete quedas, uma das maiores maravilhas da natureza já existentes em solo brasileiro, e que, há cerca de trinta anos, para sempre foi sepultada sob as águas da usina de itaipu.

luz, harmonia e prosperidade!
edificação histórica, na esquina de av. afonso pena e r. rio de janeiro, no centro de belo horizonte. um exemplo de arte a ser preservada, mas, para tanto, depende mais do poder público do que do cidadão. (no alto da página, dois momentos do sete quedas: antes da formação do lago de itaipu, que originou a represa, em 1982, e imagem atual do que sobrou do parque. fonte: http://blogs.estadao.com.br/cidades/antigas-fotos-de-sete-quedas-revelam-a-natureza-que-o-brasil-perdeu/.) 

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

pra refletir nesse 2014


há ocasiões em que desperdiçamos oportunidades incríveis de crescer e de abandonar definitivamente nosso primitivismo. por vezes, nosso orgulho eleva seu tom de voz, e nos traz para um estado de espírito em que o perdão, amor, sensibilidade, fraternidade e bondade simplesmente se tornam meros sentimentos longínquos de nossa realidade.

por que não esquecer uma ofensa? por que não colocar no lugar de uma ferida aberta pelo ódio a capacidade de perdoar sempre? por que não relevar a palavra mal expressada? por que não cultivar o sentimento de irmandade? por que não semear o amor?

pessoas que insistem na cultura do rancor e da mágoa são sempre amargas; carregam consigo uma impressão de maldade do mundo; pensam que as pessoas são más por natureza e que nada é capaz de alterar essa verdade. mas é claro que a maldade ou a bondade está mais nos olhos e no coração de quem os cultiva do que exatamente no outro. se somos radicais a ponto de não sermos capazes de relevar uma palavra mal proferida, por considerá-la totalmente inaceitável, somos também maus. assim, vamos de encontro à base do amor: perdoar sempre e incondicionalmente. qualquer grande mestre da humanidade sempre sustentou essa máxima. será que todos eles estavam ou estão equivocados?

pessoas de bom coração carregam leveza na alma; estão sempre com um belo sorriso, sem reclamar das dificuldades e das ofensas de que foram alvo; colocam-se prontos a auxiliar a quem quer que seja; e são cientes de que todo sofrimento terreno é passageiro, já que estamos aqui apenas em caráter transitório. não por acaso têm, no inconsciente mais consciente, a exata dimensão de o quanto a vida é muito mais real (e feliz!) nos planos espirituais elevados do que neste planeta de provas e expiações. portanto, aplausos em alto e bom som para essas criaturas que, em relação a nós outros, se mostram muito mais evoluídas e adiantadas: a resignação é sempre o pilar que as faz viver bem!

luz e harmonia! e um feliz 2014...

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

meio-termo

fanatismo é um grau anormal de
apego ou de simpatia.
em certa dose, todo fanático
é um doente.
e se é doente, não está em seu estado normal de saúde mental.
o fanático pensa em seu alvo
de apego incessantemente.
quando está acordado,
pensa de forma ininterrupta
no seu objeto de desejo.
à noite ou de dia,
mantém contatos oníricos
permanente com ele.
seus pensamentos, suas palavras
e ações são permeadas de fanatismo.
veste-se, comporta-se,
locomove-se e age sempre em
compasso com seu apego anormal.
o fanático vive num mundo à parte,
em que só existe ele próprio
e a coisa que lhe alimenta
a doentia existência.
por isso, o fanático é
digno de piedade,
não de críticas destrutivas.
imagine como é viver num mundo
em que tudo que se faz
gira em torno de um só
objetivo - que, não raro,
é totalmente irrelevante...!
é preciso ter cuidado para
não nos aderirmos a essa doença:
a distância existente entre
o fanatismo e a demência é
tão curta que pode-se
passar de um estágio ao
outro sem se perceber...
daí, o fanático chega ao
ápice de estar disposto
a matar ou a morrer.
exagero? não! veja o que
ocorre com os fanáticos doentes
por futebol, ou nos atentados
terroristas que envolvem
religiosos fundamentalistas.
lembremo-nos das palavras
de aristóteles:
"nos vícios ou há falta ou excesso
daquilo que é conveniente
no que concerne às ações
e às paixões, ao passo que
a virtude encontra e
escolhe o meio-termo".

luz e harmonia.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

madiba - grande madiba!


a espécie humana perde uma de suas maiores referências e símbolos da luta pela igualdade entre as pessoas. fica órfã de um exemplo de humildade, superação, sabedoria e, com certeza, autocontrole. porque não deve ter sido nada fácil passar quase trinta anos preso (por motivos esdrúxulos!) num espaço de 2,5m x 2,0m. de lá onde está agora, certamente começará a iluminar e influenciar positivamente as mentes de novos batalhadores pela busca incessante da igualdade humana. descanse em paz, grande Mandiba! renove suas energias junto aos grandes líderes terrenos do bem que deste planeta já se foram, e - se não for pedir demais - não se demore muito em enviá-las a nós, que todos os dias lutamos por um mundo mais humano e livre de preconceitos!
NELSON ROLIHLAHLA MANDELA
* 18.07.1918 + 05.12.2013

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

sorrir... e crescer!

sorrir
mesmo na aflição
sentir
que não se está só, não
fugir
para onde manda o coração:

resignação
compreensão
concentração
oração
aceitação

o sofrer lapida
a caminhada sofrida
atitude fortalece
o saber acontece
o corpo envelhece
e a alma...
a alma?
essa cresce!

luz e harmonia!

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

boas ações - para que(m) as praticamos?


pra que fazer o bem às pessoas, aos animais, às plantas e a todos os companheiros de jornada terrena? quem me dá garantias racionais de ser recompensado por isso? o que ganho em ser honesto com os demais seres humanos quando tenho a oportunidade de levar vantagem sempre? por que não o "cada um por si"?

parte das mazelas da humanidade advém da espera por recompensa em troca de algo bom praticado.

há quem não consiga desvincular filantropia de premiação. lamentável... isso demonstra o grau evolutivo em que ainda nos encontramos: muito primário. 

precisamos evoluir a este ponto: quando nos dispusermos a fazer o bem, o mais importante sentimento a expressarmos será nosso incondicional contentamento por termos contribuído para que nosso irmão alcance melhoria em seu estado de espírito. a prática de boas ações deve-se constituir num fim em si mesmo! o resto são apenas dissimuladas boas intenções - e, portanto, um culto à perpetuação do egoísmo.

luz e harmonia a todos.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

vencedores

vencedores:
são aqueles que têm a capacidade
de perseverar e seguir adiante;
não se abalam por qualquer tropeço;
têm determinação ferrenha
para alcançarem o objetivo desejado,
a qual deve-se iniciar pelo
ideal dentro do coração,
com amor e a certeza da
influência bendita de nosso criador;
o restante é mera consequência
e repousa em nosso livre arbítrio;
nós, mortais, sejamos
pensadores - e vencedores;
é preciso força, garra e muita paz!

luz e harmonia.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

tudo é questão de querer...e merecer!

não se faz, em sã consciência, absolutamente nada,
a não ser pela própria vontade.
tudo é questão de querer.
então será que é regra pensar
"quero, logo consigo"?
bem, talvez não.
o mérito antecede
sempre a conquista.
mas há, em boa parte das oportunidades, 
a possibilidade plena
de se conquistar algo almejado.
um emprego dos sonhos,
uma casa bonita,
um carro zerinho...
mas também: um projeto altruísta,
um curso acadêmico,
um concurso público...
é preciso, portanto, foco no que se almeja alcançar - e mérito.
é dele que se fazem surgir
as oportunidades,
a superação de limites,
o subir mais alto que as barreiras,
o abrir mão de posições confortáveis,
onde impera o comodismo...
merecimento e vontade:
dois ingredientes básicos
para viver e realizar sonhos - por mais distantes e irreais
que possam parecer...

luz e harmonia.

terça-feira, 20 de agosto de 2013

chicos e franciscos

os "chicos" famosos da história, embora não sejam tantos, nos deram sempre bons exemplos de vida.

são franciso de assis, nascido giovanni di pietro de bernardone, conforme relatam textos a seu respeito, foi um dos ícones do desapego, da bondade, da justiça e da moralidade.


chico xavier, o francisco de paula cândido xavier, embora tenha vendido mais de 50 milhões de exemplares dos livros que escreveu, sempre abriu mão dos direitos autorais de todos eles.

o mais recente "chico", o papa francisco (jorge mario bergoglio), tem dado ao mundo lições irretocáveis de moralidade, humildade e sinceridade.

há os que veem nas atitudes de todos eles uma imensa demagogia. que seja! pelo menos não se pode dizer que a aparência de honestidade não tenha mexido com a cabeça de boa parte das pessoas. pena que nossos representantes (?) políticos não tenham levado nada disso em consideração e, por isso mesmo, não mexeram ainda uma mísera palha para mudarem sua postura como gestores públicos.

é curioso o fato de bons exemplos não serem copiados! em geral, as pessoas miram as más ações e inclinações dos outros, sobretudo se estes são bem sucedidos financeiramente, e almejam muito fazer igual (ou até pior, conforme se vê nos capítulos recentes da história do país).

a cada ano que passa, conseguimo-nos surpreender com a criatividade maléfica de quem usa e abusa do cargo público e sai em seguida com os próprios bolsos e contas bancárias cheias de dinheiro oriundo de nossos impostos! seguir os exemplos dos chicos? que nada! isso é pra bobos! legal mesmo é ser malandro, é ser esperto, é ser corrupto, ladrão, salafrário e ainda ser aplaudido pelos mais ignorantes.

é uma pena querer desperdiçar a chance de mudar o rumo da vida de nosso povo, apesar dos bons exemplos de tantos chicos por aí (mesmo os não famosos), e, em lugar disso, preocupar-se apenas com a própria vida e a de seus apadrinhados. isso, sim, é um verdadeiro retrato da mente vazia e primitiva (não apenas dos governantes, mas também de grande parte das pessoas que pensam igual) de quem só pensa em se promover materialmente às custas da ignorância alheia.

luz e harmonia a todos.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

não vamos nos esquecer deles - e de nós!


já que as vozes das ruas
não foram ouvidas,
as manifestações foram ignoradas,
o clamor popular continua a ser
apenas um ruído longínquo;

já que a classe eleita pelo povo
nada faz em favor dele,
o desejo de se alterar a
ordem social não é atendido,
e o contingente político pouco ou nada continua a se preocupar
com a sociedade;

já que os interesses dos governantes
continuam focados em si mesmos,
o conluio entre eles e o poder
econômico dominante
ainda prossegue,
e a moralidade na A. P. * 
se torna mera utopia;

já que uma renovação
na ordem política
não acontece por força de lei,
que a segurança pública
prossegue precária,
e a saúde praticamente inexiste
ao cidadão comum;

já que a educação
permanece longe de ser
prioridade dos governantes atuais
(a ignorância do povo
é uma bênção para
os políticos corruptos)
que a mobilidade urbana não é
discutida nem melhorada,
e a corrupção insiste em ser regra no meio político;

já que desviam-se bilhões do
cofres públicos para
financiar projetos secundários
ou para atender a 
interesses particulares,
o pagamento de impostos
altíssimos não retorna em
benefícios de quaisquer
natureza ao contribuinte,
e nossos queridos eleitos se fingem de
surdos à voz do povo...

façamos nossa parte já!
vamos agir diferente
de toda essa corja que
há décadas se perpetua no poder.
lembro-mo-nos deles nas eleições de 2014 e 2016: não vamos reeleger ninguém que já tenha ocupado algum cargo político nesse país, ou que tenha ligação com quem está lá hoje. façamos nós mesmos
a tão sonhada reforma política.
mais do que reformar,
precisamos fazer uma
faxina nesse país.
vamos propagar essa ideia?

vamos orientar nossos amigos, parentes, vizinhos, colegas de trabalho, se porventura esses forem menos esclarecidos que nós. vamos procurar conhecer a vida pregressa dos candidatos que aparecerem, e escolher apenas quem tem passado limpo. não optemos por aqueles que tenham concedido ao povo a "bolsa-isso", "bolsa-aquilo", por que esses benefícios têm efeito apenas imediato para saciar a fome (ou a vontade estratégica de permanecer
nesse estado,
por mera conveniência óbvia)
e garantir votos no futuro.


chega de sarneys, colloridos, dilmas, lulas, aécios, renans e quaisquer corruptos e vagabundos ligados a essas figuras, que, por nossa própria culpa, prolongam infinitamente na cúpula do governo. vamos dar chance a ideias novas, pessoas que queiram servir ao povo, e não, ser servidos por ele. pagamos impostos de país de primeiríssimo mundo, e recebemos em contrapartida prestação de serviços públicos da pior qualidade.
já basta!

* Administração Pública